segunda-feira, 15 de junho de 2020

Igualzinho, Igualzinho




consumismo nunca mais será igual, ouvia-se de idealistas ingénuos, a meio da pandemia.

Redondamente iludidos!!!

O estacionamento do IKEA está cheio. E a bicha de acesso pessoal tem duas a três centenas de metros.

Mas há uma meia boa notícia, as pessoas mantêm uma razoável distância entre elas. Consumismo, porém, um pouco prudente!

Um pouco prudente, apenas um pouco, que a rapariga atrás de mim não me larga os calcanhares...



quarta-feira, 27 de maio de 2020

Esparguete à borreguesa



Ingredientes
1 perna de borrego – 2 Kg no talho dará um pouco mais de metade depois de desossada e sem peles nem gorduras;
3 cebolas médias;
6 dentes de alho;
Azeite;
2 folhas de louro;
Sal;
1 copo de vinho branco.

Preparação
Compra a perna do borrego desossada e sem pele nem bedum.
Tira todas as restantes peles e gorduras e especialmente tendões, que entopem a máquina de picar a carne.
Lava para tirar os ossículos e escorre bem.
Pica a carne.
Pica a cebola e refoga em azeite generoso, com o louro;
Quando a cebola esbranquiçar junta o alho picado fino;
Quando o refogado estiver tisnado, junta a carne picada.
Mexe com frequência.

Quando a carne estiver quase cozida (aí uns 15-20 minutos) rega com meio copo de vinho branco.
A outra metade do vinho é para o cozinheiro ir bebericando, que provar exige papilas afinadas!

Coze o esparguete a gosto.
Polvilha o esparguete e a borreguesa com orégãos e queijo ralado.
Guarnece com salada e terás uma vida mais saudável.
Bebe com moderação, mas acompanha com um bom vinho.

Muito bom proveito!


© Manuel A. Madeira, 12.Maio.2020

quarta-feira, 8 de abril de 2020

Tosca obra da apatia municipal lisboeta





Estas são imagens da obra. Tosca obra.

Alguém, bons alguém, mas maus pedreiros restauraram uma torrezinha no Parque Florestal de Monsanto.

Sem que a gestão da obra tenha acordado a atenção da "gestão" do Parque Florestal.

Porquê!?

Porque o Parque Florestal não tem quem circule periodicamente pelo seu espaço, quem observe o abandono a que está votado. Salvo raríssimas exceções, o abandono é evidente. Patente nesta evidência!!!




Em 11 de Agosto de 2016 estava assim:




Mais dois exemplos do desmazelo municipal lisboeta.

Lixeira a céu aberto em tempo de aterros sanitários devidamente tratados. Está muito próxima de estrada alcatroada, embora apenas acessível por trilho de pé posto. 

Uma gestão profissional já teria dado com o vandalismo, mas para isso seria necessário pôr pé àqueles trilhos florestais.



Os bebedouros avariados, entupidos, a verter água, com limos,  com as molas pasmadas há vários anos!!! Tal como pasmada está a "gestão" do pulmão de Lisboa.



Apesar dos alertas...

_ _ _ _

domingo, 5 de abril de 2020

Desigualdade pandémica



Nunca somos iguais. E não tem a ver com a cor da pele, do sexo, religião ou com a instrução.

A condição social e a situação económica é que determinam o descomunal fosso, essa inultrapassável barreira. Ou guilhotina social que não me dá máscaras, apesar de as procurar numa roda viva.

Não, não tem a ver com a razoável diferenciação pelo mérito do esforço continuado, pela diligência eficiente ou pela inteligente criatividade. 

Ou pelo pagamento da lealdade ou pela perspicácia nos negócios ou pela poupança obsessiva ou pelo investimento prudente ou pela sorte na Lotaria do Natal. 

Não é destes que estamos a falar. Nem sequer das tias de Cascais ou dos comendadores de comendas de uma vida exemplar.

É dos outros, dos da bolha. Dos que vivem num mundo do excesso legalizado.

Aos  Bezos e Brejenev, Slim e Jong-un, Zuckerberg e Castro ou a certo naipe de Santos que nunca nada lhes falta. Nem ao Marcelo, que tem máscaras e eu não.

Porque são superdotados ou porque se dotaram de uma canina guarda pretoriana. Com multifacetadas máscaras.

_ _ _

domingo, 29 de março de 2020

Sábias palavras de um grande médico


Recomendação Formigarras
Ler toda a entrevista, todos aprendemos



António Sarmento

Entrevista EXPRESSO de 28.Março.2020

MÁSCARA Em nenhum momento António Sarmento tira a máscara. É uma regra de ouro para toda a equipa para evitar quarentenas prejudiciais ao serviço


“O coronavírus está a assustar mais do que a sida”

FacebookTwitterE-Mail
Dirige o serviço de infecciologia do Hospital de São João, onde se concentra o maior número de infetados pelo coronavírus do país. Em entrevista exclusiva ao Expresso fala dos dramas de uma luta diária contra uma pandemia da qual quase tudo se ignora, e da qual sobressai pelo menos uma certeza: é essencial evitar o pânico
POR VALDEMAR CRUZ (TEXTO) E RUI DUARTE SILVA (FOTOGRAFIAS)

Éum homem tranquilo. Recebe-nos com o rosto coberto por uma máscara. Não a tira em nenhuma circunstância no interior do Centro Hospitalar Universitário São João, no Porto, onde dirige o Serviço de Doenças Infecciosas. Antes de lá chegarmos, chegam instruções precisas para não entrarmos no hospital sem alguém nos vir buscar. Segue-se o crivo da despistagem e prevenção da doença. Registo de nome e contacto telefónico. Medição da temperatura corporal. Entrega de uma máscara e líquido desinfetante. Só depois somos conduzidos para uma sala onde há de chegar António Sarmento. Está cansado. O tempo encolhe-se por entre os dedos. Aos 64 anos, revela um profundo saber. Tem atrás de si uma longa carreira profissional com outros combates poderosos, como aquando da emergência do vírus da sida. Esta é, porém, a maior crise de saúde pública alguma vez enfrentada por todos quantos o rodeiam. Tem noção dos perigos. Escuda-se no valor, no rigor e na coragem de uma vasta equipa de profissionais de saúde que, ali, como nos mais recônditos locais do país, transformam o SNS na última e grande fronteira do combate a um inimigo poderoso. Por isso, lamenta e não esconde a revolta desencadeada pela dolorosa constatação de que, ao longo dos anos, os Governos europeus têm vindo “a desleixar o SNS”.

Começo com uma pergunta que só na aparência será pessoal. Quando comuniquei no meu círculo familiar que vinha entrevistá-lo a si e ainda por cima no Hospital e São João, foram-me manifestadas as maiores das reservas e receios. Há razão para isso?
Não. Não. Porque é que usamos agora todos máscaras no hospital e até há pouco tempo não usávamos? Todas as medidas podem ser escaladas à medida que as coisas vão mudando. Algo que hoje está certo, daqui a uma semana pode ter de ser diferente. Andamos todos de máscara porque o meu serviço, doenças infecciosas, é o epicentro de tudo isto. Está a assegurar a assistência a dezenas, centenas de doentes. É um serviço que tem de continuar a funcionar. Onde vamos tentar evitar ao máximo que alguém adoeça. Estamos agora os dois a conversar, e ambos de máscara. Se daqui a dois dias se apercebesse que eu estava infetado, nenhum de nós precisava de ir de quarentena. Ou antes, eu nunca precisaria porque era eu que estava infetado. Teria de ir para casa tratar-me. Se no meu serviço se soubesse agora que quatro médicos estiveram reunidos durante duas horas com um médico de outro serviço, e nenhum estava de máscara, e depois viesse a saber-se que o tal médico já estava infetado, estes quatro médicos do meu serviço iam ter de ficar de quarentena. Numa altura em que já há falta de recursos, se começam a espalhar-se as quarentenas, isto colapsa. A máscara que todos usamos no serviço, o dia todo, sem nunca a tirar, é para nos precavermos de algum contacto que mais tarde sabemos ter sido com uma pessoa que estava infetada. Isso obrigar-nos-ia a quarentenas que, com esta proteção, não são necessárias.
Mas podem infetar-se lá fora...
Sim, isso é lógico. Mas mesmo que se infete lá fora, o problema é o mesmo. Vem trabalhar de máscara, e quando se aperceber, todos os contactos que teve foram protegidos. Isso é muito importante para que os hospitais possam trabalhar e para que não haja falta de recursos. Se no meu serviço usar todos os dias as precauções que sei que tenho de usar, se estiver sempre protegido, posso ter as relações familiares normais.
Como é quando chega a casa?
Normal. E até acredito que, provavelmente, estarei mais protegido do que se andasse por aí a cruzar-me com pessoas que não fazia ideia que estavam infetadas.
É errado andar de máscara na rua?
Tenho alguma dificuldade em responder. Se for buscar o que dizia a Organização Mundial da Saúde (OMS) há uma semana... As coisas evoluem e por isso tenho algum medo, não é das perguntas. É das respostas. A OMS ainda há uma semana dizia que não havia prova nenhuma que as pessoas se protegiam mais por andarem de máscara na rua. Dava-lhes uma falta sensação de segurança. Muitas vezes não lavavam as mãos e depois mexiam na máscara e a seguir mexiam no olho. Mas há indicações claras para o uso de máscaras. Se a pessoa estiver com tosse, para proteger os outros. Se estiver com febre. Aí é obrigatório pôr máscara nesta fase. Se alguém estiver a contactar com uma pessoa que esteja com tosse, deve estar de máscara. Se está em determinados contextos, como o hospital, também. Se devem andar todas de máscara na rua? Pode ter mudado alguma coisa, mas até há uns dias não havia qualquer evidência dos benefícios e podia fazer com que se esgotasse um bem que pode ser absolutamente precioso noutras circunstâncias. O mais importante é a evicção social. Não é isolamento. É ter medidas de mais distanciamento. Evitar as multidões. Por isso acabaram as missas, as discotecas.
Em meados de novembro uma pessoa é infetada em Wuhan, na China, por um animal. Segundo estimativas da OMS, no final de abril podem haver 250 milhões de pessoas infetadas em todo o mundo. Como é que chegamos aqui, com 23 mil novos casos/dia na Europa à data em que falamos?
Era evidente que mais tarde ou mais cedo isto ia acontecer. E também não podíamos fazer muito para evitar que acontecesse. É um vírus novo, para o qual não há vacina e com o qual o ser humano nunca contactou. Logo, não tem imunidade natural. Apanha a humanidade desprevenida. Se a taxa de contagiosidade fosse muito pequena, as coisas podiam-se conter. Quando essa taxa é maior, não é possível. É natural. Os vírus, particularmente os respiratórios, têm uma vida, uma biologia, uma cinética que ainda conhecemos mal. Aparecem quando querem. Inesperadamente há uma explosão. Propagam-se e depois, ciclicamente e muitas vezes por motivos que não conhecemos inteiramente, desaparecem. Regridem. Há todo um mundo microscópico, de vírus, de bactérias, que existe na Terra há muitos mais anos do que nós, e que tem um conhecimento, uma plasticidade genética, uma capacidade de adaptação brutal. Muito antes de existirem os mamíferos, os seres humanos, já os micróbios existiam. Têm um conhecimento genético do mundo muito grande. Com a globalização, com o constante aumento das viagens, com o aparecimento no maior centro comercial do mundo, que é a China, de onde toda a gente sai e para onde toda a gente vai, isto é perfeitamente possível acontecer.
Porém o segundo foco é em Itália, na Europa...
Sim, o segundo epicentro é um dos maiores centros turísticos do Mundo, que é o Norte de Itália. Juntaram-se várias coisas: viagens constantes, a falta de imunidade da humanidade face a um vírus novo, o eclodir num centro do país mais populoso do mundo e que irradia para o mundo todo, e depois o segundo epicentro num dos maiores destinos turístico do mundo.
Estamos a viver uma crise global de saúde pública que se movimenta a uma velocidade e numa escala nunca presenciada por qualquer geração ainda viva à face da Terra. É caso para entrarmos em pânico?
Há vírus que se propagam mais depressa, como o sarampo. Se a covid-19 tivesse a propagação do vírus do sarampo, a Humanidade estava... Só que a maior parte das pessoas está vacinada. A Humanidade já conhece o vírus do sarampo há centenas de anos. O vírus da varicela também se propaga muito mais rapidamente. A covid-19 propaga-se mais do que a gripe. Temos de ter equilíbrio entre duas coisas. Há uma escala onde num extremo está a inconsciência, que é péssima. E no outro lado está o pânico, que é péssimo também. Conseguir o meio termo não é fácil. O pânico não nos protege mais. Pelo contrário, expõe-nos mais, porque se fazem disparates. Uma sociedade em pânico é uma sociedade que não funciona. Há uma série de consequências para a vida normal da sociedade que depois impede o tratamento dos doentes. O pânico é muito mau, a inconsciência é muito má. Nós, portugueses, temos muitas qualidades e uma delas é que vamos enfrentar bem isto. O pânico vai diminuir e a consciência vai aumentar.
É decisivo diluir no tempo o número de infetados?
É, porque mil casos numa semana são muito mais graves do que os mesmos mil casos num mês. Não há capacidade dos serviços de saúde para dar essa resposta. Se conseguirmos diluir estes novos casos no tempo, mesmo que depois o número final seja o mesmo, as consequências são outras. Até porque as outras doenças continuam a existir. Há outros doentes que continuam a chegar ao hospital. É esse tipo de medidas que temos de adotar. O terceiro esforço é o da população. É um comportamento cívico tranquilo, consciente. Depois há um quarto elemento, representado por si, que está aqui à minha frente. Toda a imprensa pode ter um papel formativo fantástico. Deixe-me voltar à sua primeira pergunta, que parecia pessoal, mas não é. Eu, se for agora para casa, estou a falar com a minha mulher e com os meus filhos com uma distância mais próxima do que aquela que estou de si, e não estou de máscara. Porquê? Porque tenho a nítida noção de que estou protegido. Se as pessoas começarem a entrar em pânico, se começar tudo a ir para casa sem motivo, sublinho, sem motivo... Repare, não podem parar os transportes, o fornecimento de alimentos, o pessoal que trabalha nos hospitais. Por isso digo que a imprensa tem um papel muito importante no sentido de acalmar as pessoas.
Sabemos que numa fase inicial muita gente desvalorizou os perigos deste vírus. Agora há uma maior consciencialização, mas não há o risco de se cair noutro extremo, ao ponto de se censurar até uma simples saída para um leve passeio higiénico?
Deixo as recomendações de saúde pública para a DGS, porque o meu dia a dia é ocupado por inteiro — tenho tempo para dormir um bocadinho e pouco mais — com a situação no hospital. É importante passar a mensagem correta, que se é correta hoje, pode não o ser daqui a uma semana. E não foi erro. É o conhecimento que vai evoluindo. Mas aquilo em que se tem insistido imenso é na lavagem das mãos várias vezes. Isso é insubstituível. As pessoas devem procurar não andar com as mãos em tudo. É a evicção social. Não é a pessoa isolar-se e ficar completamente só. Mas é não andar aos beijos, não andar agarrado aos outros, não andar a cumprimentar. Procurar espaços menos densamente povoados. Não quer dizer que tenha de estar sozinho para sempre. É senso comum. É saber que a menos de um metro há risco de contágio. Saber que se há alguém que está com sintomas respiratórios deve pôr de imediato uma máscara. Geralmente procuro não andar em casa com os sapatos da rua. Mas isso é uma medida de higiene normal. Já muito antes disto havia quem tivesse esta atitude. Não está muito nos nossos hábitos, mas os nórdicos fazem muito isso e agora coloca-se com mais premência.
E o perigo das informações avulsas, às vezes até de origem desconhecida?
É importante as pessoas não se deixarem influenciar por uma coisa que viram no YouTube, por algo que viram nas redes sociais, por palpites. Vão ao site da DGS. E mesmo assim, se não encontrarem o que querem, aproveito para recomendar o site Public Health England Corona Vírus. Pertence ao SNS inglês e está muitíssimo bem feito, muito atualizado. Tem base bibliográfica muito séria. É acessível e útil, quer aos médicos quer aos enfermeiros quer ao cidadão. É evidente que a Agência Europeia de Controlo da Infeção-ECDC, ou a Organização Mundial de Saúde, ou nas siglas em inglês WHO, também são muito fiáveis e é por aí que as pessoas devem ir. Quando consultarem alguma coisa, cuidado com as redes sociais. Se querem informação consultem aqueles sites porque são ajudas muito grandes. São informações sérias.
Mesmo se ainda não sabemos muito, quais são os factos cruciais que particularizam este vírus?
Felizmente a grande maioria dos casos ocorre sob a forma de síndromas ligeiros ou moderados. Nas formas mais complexas, que se imagina que serão uns 10%, algumas exigem cuidados intensivos. Essas são graves mesmo. Mas felizmente a maior parte das situações são ligeiras ou moderadas. Em segundo lugar, nas crianças a doença é praticamente sempre muito benigna. Nos casos todos da China, em crianças com menos de dez anos, não há o registo de uma morte. As crianças são muitíssimo poupadas.
Há uma explicação?
Provavelmente porque têm uma imunidade mais saudável. A mortalidade vai aumentando de década para década. Na primeira não há mortes. Na segunda são muito raras. Entre os 20 e os 30 também são raras. À medida que se vai aumentando de idade, o sistema imunológico envelhece. Tal como envelhecem os cabelos, a nossa pele. Os casos mais graves são em pessoas mais idosas, mas particularmente quando essas pessoas têm as chamadas comorbilidades. Diabetes, hipertensão arterial, doença pulmonar crónica obstrutiva. Isso não quer dizer que uma pessoa de 40 anos não possa ter uma doença gravíssima, com cuidados intensivos, como já tivemos Mas é raríssimo. Há um outro aspeto: aqueles que se complicam e que, repito, são uma minoria, geralmente não é no início da doença. É ao fim de uma semana, dez dias. Nos primeiros dias as pessoas andam relativamente bem, depois é que surge a complicação. Mas, e é importante insistir nisto, na vastíssima maioria dos casos desta doença corre bem.
Está visto que a covid-19 não é como uma simples gripe...
Não, não é. Tem muito mais complicações. É uma doença nova, com características clínicas diferentes. E tem uma gravidade maior do que a gripe. Sem alarmismos, não podemos meter no mesmo saco. Para já ainda é difícil dar um número seguro, mas calculo que 90% a 95% dos casos correm bem. É apenas uma ideia, porque só no fim é que vamos ver. Provavelmente houve imensos casos tão benignos, que não foram detetados. Se entrassem todos para o bolo, as contas seriam outras. Também só no fim vamos ver as vítimas que vai provocar. Infelizmente não são apenas pela doença em si. São porque as outras continuam a existir. Se os serviços de saúde estiverem completamente sobrecarregados vai haver um pior tratamento das outras doenças. Vai ser mais difícil, porque os recursos a certa altura são finitos. No mundo, provavelmente, quando se fizerem as contas, vai-se perceber que morreram mais pessoas do que habitualmente por pneumonias, por enfartes do miocárdio, por acidentes vasculares cerebrais, porque está tudo sobrecarregado com isto. Por isso digo que, se conseguirmos diluir isto no tempo, sobrecarregando o menos possível os serviços de saúde, é bom, quer para os doentes com coronavírus quer para os outros doentes.
SERENO O diretor de serviço de infecciologia do Hospital de São João procura transmitir confiança a todos. Só no exterior aceita tirar a máscara para a fotografia

Essa questão dos serviços de saúde suscita uma perplexidade. Visto que, depois da China, os grandes focos são, agora, Itália e Espanha, dois países com bons sistemas de saúde, mas que vivem um descalabro. Os sistemas de saúde não estão preparados para uma crise desta dimensão? O que tem de mudar?
Ninguém pode estar preparado para uma catástrofe. O que caracteriza a catástrofe e uma desproporção entre o número de vítimas e os recursos necessários. Não era possível preparar o dia a dia. Imagine que temos, por exemplo, 20 ventiladores por mil habitantes. São números inventados. Chegam perfeitamente para o dia a dia. É muito difícil estar a programar o número de camas, o número de ventiladores, o número de enfermeiros para uma crise em que vai aumentar 50 ou 100 vezes o volume normal. Nenhum sistema de saúde aguenta isto. Economicamente não é possível. Os recursos são finitos. O que têm é de estar preparados em termos organizacionais para, se surgir uma coisa destas, quais são os passos a dar. O que se tem de fazer, o que se tem de produzir. Itália tem belíssimos hospitais, como Espanha. Mas isso não basta. Tem de haver uma rede de saúde pública a funcionar bem. Posso dizer que têm belíssimos hospitais, mas os melhores hospitais do mundo não resolveriam o problema de uma crise com milhões de pessoas. O que resolve é um sistema de saúde pública que impeça que haja, num período muito curto, esses milhões de casos.
Decorre daí que se coloca a necessidade de redimensionar o SNS quando percebemos que a gestão da crise repousa sobre um SNS precário, submetido ao diktat da racionalização económica, subfinanciado ao longo de muitos anos...
[Interrompe] Essa pergunta que me coloca... sei onde quer chegar e tem toda a razão de ser. As crises dos SNS não são só cá. Estão a ser desinvestidos em muitos sítios. Nomeadamente na Europa. Estamos a caminhar para um liberalismo e para uma situação de desvio de interesses para outras coisas. Notamos que o SNS em Inglaterra está com muitas dificuldades. Até na Alemanha está com desinvestimentos e com dificuldades. Isto pode ser uma oportunidade para o futuro. Pode ser que os países pensem em voltarem a preocupar-se com os SNS, que desleixaram. Os países todos. Não é só Portugal. Acharam que poderiam resolver a coisa de outra maneira. Nos últimos anos desinteressaram-se um bocado dos serviços de saúde. Uma das coisas que se terá de se repensar é se não valerá a pena fazer sacrifícios noutras áreas para ter serviços de saúde mais robustos, a funcionarem melhor.
É urgente uma solução global?
Sim. Não pode ser resolvido por cada país individualmente. A Europa tem de saber até onde vai. Até onde pode investir. O que pode fazer. Se a Europa quer ser uma União, não pode ser só para o que lhe convém. Se quer ser uma União Europeia, tem de ter serviços de saúde com qualidade uniforme. Não pode ter serviços de saúde de primeira na Dinamarca e de segunda em Portugal. Há critérios de qualidade que têm de ser uniformes. Isso é fundamental. Até porque se for bom num sítio e mau no outro, um dia há outra crise destas, e as pessoas caem pelo elo mais fraco. Depois, temos o aumento brutal do preço dos medicamentos, nomeadamente na área do cancro, que vai fazer tremer qualquer SNS, porque o que se gasta é brutal. As multinacionais vão ter de refletir na sua política. Se acabam com o SNS também acabam com a venda dos medicamentos. Têm de pensar nisso em colaboração com os governos a nível europeu. Tem de ser a Europa toda a dizer até onde vamos, o que podemos tratar, o que é admissível, o que é excessivo. Isso também ajudava a resolver o problema de subfinanciamento dos serviços de saúde. Estão sobrecarregados com preços brutais de medicamentos, que vão continuar a subir. A Europa tem de aproveitar esta crise para repensar a saúde europeia como um todo. Temos de ter uma qualidade uniforme. Ou então cada qual vai para seu lado e não somos União nenhuma.
Como vê o modo como a China atuou, com medidas classificadas muito duras na criação de cordões sanitários?
Sabemos pouco sobre o que se passa na China. Também é difícil comparar zonas geográficas completamente diferentes. Estamos a comparar a Europa com a China, com latitudes, climas e hábitos completamente diferentes. Imagine que se tomavam em Itália exatamente as mesmas medidas adotadas na China. Os resultados podiam não ser os mesmos. Há uma diferença geográfica que num ser vivo, como é o vírus, às vezes tem muita importância. Há medidas que é possível tomar na China, e não são possíveis cá. É um regime autocrático, que não tem as limitações existentes nas nossas democracias. Na Europa implica muito mais uma adesão voluntária dos cidadãos. Por isso a imprensa é importante. Há uma coisa que, apesar de tudo, me intriga. Como é que em Wuhan, onde vivem 11 milhões de pessoas, em cima umas das outras, conseguiram conter o vírus e praticamente deixar de ter casos.
Intriga-o, no sentido em que desconfia?
Não. Intriga-me. Não sei. Ter havido na China toda 80 mil casos reportados, acho que não terão sido só as medidas. Houve mais qualquer coisa. E esse algo mais pode ter sido o vírus que pode ter mudado o seu comportamento. Por mais eficazes que sejam aquelas medidas, custa-me a perceber que, no fundo, tenha atingido tão pouca gente.
Estamos no século XXI e quando julgávamos já dominar tudo, afinal o grande recurso para o combate ao vírus é um método utilizado na Idade Média...
Tem razão. Estou de acordo consigo. O fundamental para isto é o comportamento humano e o comportamento do vírus. Os sistemas de saúde são importantes, mas depois há os comportamentos humanos e de biologia do vírus que são talvez aquilo que há de mais significativo. É evidente que há algo de decisivo, que seria conseguir-se uma vacina. Aí, a intervenção humana seria poderosíssima. Enquanto não se conseguir uma vacina, voltamos à evicção social, às quarentenas, às mudanças de hábitos. Há esperança de que o vírus seja sazonal e comece a diminuir com a época do ano.
É irrealista pensar que a breve prazo possa surgir uma vacina?
Não. Creio que as coisas estão avançadas. Porém, quando há um medicamento novo, tem de ser testado. Está a ver o que era dar a milhões de pessoas uma vacina que depois se vinha a descobrir que tinha um efeito qualquer? Podia fazer mais vítimas do que o vírus. Tem de se ter esse cuidado, embora hoje existam já sistemas de simulação mais perfeitos, que aceleram a fase de experimentação humana, que tem de existir. Isso pode chocar as pessoas, mas tem de haver. São os ensaios clínicos de fase 1 ou fase 0, que não se podem dispensar em medicamento nenhum. Demora tempo. Custa-me a crer que a vacina ainda vá a ter influência agora. Mas pode ser importantíssima se para o ano houver um novo surto. Se isso acontecesse, por exemplo em janeiro de 2021, provavelmente já daria tempo para ter muita gente vacinada.
É ainda cedo para perceber se quem foi agora afetado fica imune?
Só lhe posso responder como infecciologista, porque isso pode estar a ser investigado. Mas é muitíssimo pouco provável que possa não dar imunidade. É uma regra geral para todos os vírus que dão infeções agudas. A pessoa ganha imunidade e o vírus desaparece. Por isso é que nos processos de cura, quando o doente deixa de ter sintomas, fazemos as análises e elas são negativas. Desapareceu por causa do nosso sistema imunológico, uma vez que ainda não há terapêuticas comprovadas. O problema seguinte é: ficou em memória? Em princípio fica uma memória. Se a pessoa volta a contactar com esse vírus já tem anticorpos que se formam logo e não tem doença nenhuma. Isso é a regra geral e é no que vamos acreditar. Porque se não desse imunidade, ia ser muito difícil fazermos uma vacina.
O problema é que nem todas as doenças víricas dão imunidade, como o comprovam a sida ou a hepatite B...
Naquelas em que não dá uma imunidade, o vírus continua lá sempre. Não desaparece. Nestas desaparece. Suponho que não será tudo mau.
Estamos num período de quarentena que durará 15 dias. E depois?
Nestas coisas tenho imensa dificuldade em responder. É uma doença nova de que não sabemos nada. Estamos a aprender coisas que não sabíamos nem podíamos saber. Há coisas que estavam certas há uma semana e uma semana depois já não estão. É muito difícil dizer o tempo que isto vai demorar. Não só por causa da doença em si mesma, que pode assumir proporções diferentes, como pela própria vida da sociedade. Não sabemos até quando é suportável. A saúde pública não é a minha especialidade, mas sei que as pessoas da área têm sempre uma preocupação muito grande, que é entre os danos da doença e os danos do desmoronar social. Muitas vezes num incêndio numa discoteca não morre ninguém queimado e morrem 50 pessoas devido ao pânico. Há quem tenha criticado muito a OMS por ter demorado muito tempo a declarar a emergência mundial. É preciso pensar muito nisto. Um desestruturar da economia mundial, se calhar vai matar à fome muita gente. No fim é muito fácil olhar para trás e dizer como é que as coisas deviam ter sido feitas. Só que ninguém é adivinho. Podemos precaver-nos em relação àquilo que se pode prever.
Há uma dimensão de risco que tem de existir para o funcionamento da sociedade?
É evidente que se fosse possível fechar toda a gente em casa, a propagação do vírus era muito mais lenta. Mas a sociedade não pode viver assim. É muito fácil as quarentenas todas, só que há um limite. Porque as pessoas têm de continuar a comer. É preciso alguém continuar a trabalhar nos supermercados, alguém que os abasteça. É preciso continuar a haver os trabalhadores da eletricidade, dos transportes. A população tem de saber que toda a gente está a dar o seu melhor. O problema é que não há ninguém infalível perante uma situação que era desconhecida até agora. Não se pode ter dúvidas de que há gente a fazer um esforço titânico nesta altura. E não estou a falar só do meu serviço ou do meu Hospital. Falo dos centros de saúde, dos colegas da saúde pública, dos enfermeiros, da DGS. Há imensa gente, muito competente, que está a dar tudo o que sabe e pode pela proteção das pessoas.
A troca de informações dos médicos a nível internacional é decisiva. Está a acontecer?
Isso é fundamental e está a acontecer. É indispensável. Até para preconizar medidas globais. Perceber o que uns estão a fazer e outros não. O que resultou ou não. A comunicação é fundamental. Os erros ou falta de comunicação estão na base de todas as desgraças. Quanto mais grave é a crise, mais as pessoas têm de comunicar umas com as outras. Não de forma alarmista ou sensacionalista. Não gosto nada daquelas pessoas que se põem a divulgar nas redes sociais uma hipótese perfeitamente recôndita, que viram não sei onde, e enche logo mais uma quantidade de pessoas de medo e de pânico.
Na semana passada o jornal francês “Libération” convidou vários escritores de diferentes partes do mundo a refletirem e a escreverem sobre esta pandemia. Chamou-me a atenção o texto de uma escritora italiana. Chamava-se “Carta aos franceses a partir do futuro”. Estão a olhar para lá, para Itália e Espanha, para recolherem ensinamentos e experiência?
Sim, mas é ainda tudo ainda demasiado confuso para sabermos o que se passou. Eles próprios estão de cabeça perdida. É difícil tirarmos indicações clínicas porque ainda está tudo em ebulição. Para já, mais do que tudo, temos de tentar salvar os doentes. Ainda não há tempo para grandes estudos. É o que nos acontece a nós. Estou aqui a conversar consigo, mas o meu dia a dia é de tal ordem intenso, que gostava de ter uma tarde livre para estar em casa isolado e fazer uma reatualização do que tem saído. Nem para isso temos tempo. Os italianos não devem ter tempo para publicar artigos com base científica a dizer o que se passou.
Esta entrevista esteve agendada para um domingo, no passado dia 15, mas pediu para cancelar por absoluta falta de condições pessoais e de tempo. Como tem sido a sua vivência desta crise?
Há sempre lados positivos. Tenho uma equipa no meu serviço constituída por gente excecional. São pessoas de uma grande dedicação e persistência. Temos tido imenso voluntarismo, entusiasmo e coragem. Tomam todas as precauções para se protegerem, e ainda ninguém foi contagiado. Isso não bastava se não houvesse uma coordenação. Existe e é excelente. A pessoa do meu serviço que está encarregada de coordenar isto, a dra. Margarida Tavares, tem feito um trabalho absolutamente notável. O meu serviço está a dar formação a muitos outros serviços para ir agregando gente. Não vamos ser capazes, sozinhos, de agregar tudo. Já temos colegas de outras especialidades, da medicina interna, da imunoalergologia, da pneumologia, da clínica geral, que vêm ter connosco, vão treinando, vão formando equipas, que depois vão continuar a dar assistência autonomamente a estes doentes noutros locais do hospital reservados para isto. A enfermeira-chefe do serviço tem sido incansável, com competência, serenidade, o que é muito importante. Depois, e não gostava que isto fosse mal interpretado, mas tenho de o dizer, temos tido um Conselho de Administração, com o seu presidente, dr. Fernando Araújo, com uma enorme competência e uma capacidade de trabalho brutal, o que nos dá a todos uma enorme confiança. O meu papel é estar sempre presente em todos os sectores do serviço e ver tudo o que é preciso, estabelecer pontes e resolver problemas estruturais para que a máquina continue a funcionar. Tenho o telefone constantemente a tocar. São solicitações do serviço, de outros hospitais, de outros colegas a pedirem ajuda ou opiniões sobre o modo como estamos a proceder. Para lá disto tudo tenho a atividade clínica, uma vez que sou intensivista e infecciologista. Temos a Unidade de Cuidados Intensivos, onde temos estes doentes e onde faço também serviço, às vezes de 24 horas. Felizmente, porque essa é a parte de que mais gosto.
Qual foi a situação mais dramática que viveu neste período?
Ainda nem tive tempo para pensar nisso, mas dramática é a situação em si. É tudo. Morre um velhinho de oitenta e muitos anos, com diabetes, uma insuficiência cardíaca, uma cirrose e coronavírus. Parece muito menos dramático do que se tivesse morrido uma pessoa de 20 anos sem essas complicações todas e com covid-19. Não se pode dizer isso. A morte é sempre a morte. O dramático é o conjunto de tudo isto. Não podemos passar para o exterior a imagem de derrota nem de drama. Estamos aqui empenhados, a lutar, com a certeza de que muita coisa boa vamos poder fazer.
O exemplo que deu entre a morte do idoso e a do jovem é perturbante, tanto mais que estamos num país e num continente com uma população cada vez mais envelhecida, e em Itália essa questão está a colocar-se de forma dramática, por falta de ventiladores para todos...
Temos de pensar que todo o ser humano é intrinsecamente digno. A dignidade do velhinho com Alzheimer é exatamente a mesma do estudante universitário com 22 anos. É a dignidade inerente ao ser humano. Isto é difícil de explicar, mas temos de analisar a situação. Não é o facto de ter 80 anos que deve ser limitativo a qualquer tipo de tratamento. A idade, nunca. Agora, se o doente tem as chamadas comorbilidades, uma insuficiência grave, com diabetes, uma cirrose e ainda com covid-19, estar a interná-lo numa UCI pode ser inútil. Porque ele vai morrer na mesma. O prognóstico é tão mau... Estaríamos a ocupar um ventilador com alguém que na realidade não vai beneficiar dele. Não vai. Não é por ter 80 anos, é por ter uma situação física de tal modo débil que o tratamento de cuidados intensivos nem é eficaz e até pode ser prejudicial. Já está tão frágil que, meter um tubo, sedá-lo, analgesiá-lo, ligá-lo ao ventilador pode dar cabo dele. Não se pode dizer que há vidas que valem a pena e outras não. Qualquer vida vale a pena. O que pode é não ter indicação. Se tiver uma pessoa com 92 anos e válvulas cardíacas completamente calcificadas e faz uma endocardite, o cirurgião torácico pode dizer que não opera aquele doente. Não por ter 92 anos, mas porque ele lhe morre na cirurgia.
Quem deve, então, ir para os cuidados intensivos?
Todos aqueles doentes em que a terapêutica pode ser benéfica. Aqueles em que achamos que não vai ser benéfica, ou que até pode ser contraproducente, não os podemos pôr neste serviço.
Há muita gente chocada com as notícias que chegam sobre essas opções e dilemas. É tudo sustentado numa análise rigorosa?
É, porque é com base em critérios objetivos. A mesma patologia em doentes diferentes pode ter indicação cirúrgica nuns e noutros pode não ter. Desde logo porque ele pode não aguentar a cirurgia. Nos cuidados intensivos temos de ver quais são aqueles que vão beneficiar da terapêutica intensiva, que os pode curar, e aqueles em que a probabilidade de serem curados é nula. Aqui não há considerações do ponto de vista subjetivo. São decisões muito objetivas. Claro que se tivéssemos recursos ilimitados de cuidados intensivos, se calhar tínhamos critérios mais amplos de admissão do que numa situação em que há muito menos recursos do que candidatos. Aí, temos de ser mais seletivos. De qualquer modo, mesmo que tivesse cem camas de cuidados intensivos livres, e houvesse um doente com imensas dependências, num estado quase terminal da sua vida, era má prática, era obstinação terapêutica, admiti-lo em cuidados intensivos. Uma coisa é prolongar a vida, que é o que fazemos. Outra é prolongar a morte. Para um doente que está a chegar ao fim da vida, um ventilador prolonga-lhe, não a vida, mas a morte. Está numa dependência total. Não morre hoje, mas morre daqui a 15 dias, totalmente dependente.
O que mais o perturba?
É que sei que vai morrer gente e a nós médicos custa-nos sempre imenso. Nunca nos habituamos a ver morrer os doentes. Nunca. Nunca. Fomos formatados para a vida. Não para a morte. Ver morrer pessoas é a grande carga de tudo isto. Por muitos anos de médico que tenhamos, nunca nos habituamos. Nunca. E nos cuidados intensivos a taxa de doentes que nos morrem no dia a dia é muito grande. Mas nunca me habituei. Nem nenhum médico se habitua. É por isso que quando se discute a questão da eutanásia, nós não estamos formatados para isso. Estamos formatados para aliviar o sofrimento, prolongar a vida quando é possível prolongar. Quando não é possível, devemos proporcionar uma morte sem sofrimento, ou com o menor sofrimento possível. O que me perturba é os doentes que vão morrer.
Como é que o Norte se transformou nesta espécie de centro do furacão da pandemia?
Por uma casualidade. Primeiro, nós, Hospital de São João, somos hospital de referência para estas situações. Quando isto surgisse, nós, no Norte, e o Curry Cabral, no Sul, seríamos hospitais de primeira linha. Depois, porque o grande epicentro começou em Paços de Ferreira com o movimento de pessoas para as feiras de calçado em Milão. Tínhamos aqui uma estrutura já bastante pensada para isto. Claro que nunca está totalmente pensada porque há imprevistos. Por isso é que começámos a dar uma resposta rápida.
Que ensinamentos retira daqui?
Retiro várias coisas. Uma delas é que, como dizia Saint-Exupéry, se queres unir o povo, dá-lhes um castelo para construir. Se queres desunir, dá-lhe pão para repartir. Como estamos todos a construir este castelo, isto uniu imenso as pessoas. Depois, vê-se imensa gente na sociedade ávida de ajudar. Não sabem bem como, nem a estrutura ainda sabe muito bem como há de aproveitar essas pessoas, mas há muita gente a querer realmente ajudar. Com o seu trabalho, com dádivas. Não podemos sair daqui, não temos tempo para nada, estamos aqui horas e horas. Não podemos, sequer, sair para ir almoçar ou jantar. Há um restaurante aqui da zona das Antas que, por sua iniciativa, vem cá oferecer-nos as refeições todas, gratuitamente. Sem termos pedido nada. Realmente as crises unem as pessoas. É nestas situações que se vê que a essência humana é boa. Depois, é bom perceber que os portugueses estão serenos, pacientes.
Como vê as manifestações, muito emocionais, de pessoas que vão para as varandas cantar, como em Itália, ou escolhem uma hora para sair às janelas e bater palmas aos profissionais de saúde, como em Espanha e Portugal?
Vejo isso como defesa psicológica. Como estímulo. As pessoas sabem que têm de manter alguma alegria, alguma força, a sanidade mental. Sabem que não podem entrar todas em depressão. Daí esse instinto...
Como é que se reflete em vocês?
Precisamos disso como de pão para a boca. Recebemos muitos estímulos, mensagens. Isso é importante. Temos de nos salvaguardar psicologicamente. Temos de manter a nossa sanidade e a nossa força para podermos continuar a apoiar os outros. Não podemos fraquejar, nem fisicamente nem psicologicamente. Tenho mais medo do colapso psicológico do que do colapso físico.
Esta deve ser uma das maiores crises que terá enfrentado ao longo da sua vida profissional, embora também tenha estado na linha da frente quando explodiu o problema da sida. Há diferenças de abordagem em relação a estes dois casos?
Vejo diferenças importantes. Na sida, embora no início se soubesse pouco, apesar de tudo muito rapidamente sabíamos como é que se diagnosticava o vírus. Aqui também se sabe. Sabia-se como é que se propagava, quais eram os hospedeiros e como é que se evitava. Isso era muito claro. As pessoas sabiam exatamente quais eram os mecanismos de transmissão e como é que os evitavam. Isso foi muito rápido. Aquela fase de histeria, de andar tudo de máscara, passou rapidamente. As pessoas viram que era um disparate porque muito rapidamente aprenderam como é que se contagiavam e como podiam evitar o contágio. Isso sossegou as pessoas. Na sida o medo diminuiu muito rapidamente. Independentemente das teorias da conspiração que surgem sempre nas redes sociais, como dizer que o vírus da sida podia estar no tampo de uma mesa. Isso há sempre. As pessoas perceberam que fora dos comportamentos tipificados não havia contágios. Não era como a covid-19 em que, de repente, aparecem mais 50 novos casos, mais 100 novos casos, sem se saber como. É uma diferença muito grande. Presentemente, o coronavírus está a assustar mais do que a sida.
Como é que chegou aqui? O que o atrai nesta especialidade?
Olhe, o que eu gosto é de ser médico. Gosto tanto agora de ser médico como gostava quando comecei, em 1978, ainda era aluno do 6º ano da faculdade, como monitor de farmacologia terapêutica do professor Walter Osswald. Comecei a trabalhar como médico no ano seguinte. Para mim, o sentido da medicina, como missão, como cumprimento de um dever, é o mesmo agora que era há 40 anos. Há uma maturidade médica que aumenta, há muitas coisas que mudaram, mas isso mantém-se.
Porque escolheu infecciologia?
Escolhi esta especialidade como podia ter escolhido outra qualquer. Pode ser chocante dizê-lo, mas não foi por nenhuma vocação especial. Só tinha de pensar se gostava de ser médico, se gostava de ver doentes, se gostava do trabalho clínico, se gostava de uma especialidade hospitalar. A resposta era sim a tudo. Felizmente, quando fiz exame, podia ter escolhido a especialidade que quisesse, porque me tinha corrido bem o exame. Entretanto tive a especialidade de farmacologia clínica, que foi onde comecei a trabalhar, para além das infecciosas, e depois tivemos de montar uma unidade de cuidados intensivos e acabei por ter também a especialidade de medicina intensiva. Mas foi sempre por acaso. A pessoa ou tem vocação para médico ou não tem. Ou tem vocação para a clínica ou não tem. Depois depende do ambiente, da vontade. Não acredito que haja pessoas que só tenham vocação para cardiologia ou pneumologia ou o que seja. Não. Ou gostam de ser médicos ou não gostam. Se gostam, em qualquer das especialidades são felizes.
Como é que a sua família está a lidar com esta situação, dado os riscos que aparentemente corre?
Muito bem. A minha mulher também é médica, de clínica geral. E vê muitos doentes. Mas é uma pessoa completamente tranquila. Em minha casa toda a gente está tranquila. Aqui estou muito mais seguro do que as pessoas em clínica geral, num Centro de Saúde, a verem constantemente pessoas a entrar, a espirrar, a tossir naquelas salas de espera. Um clínico geral corre muito mais riscos porque não sabe com o que está a contactar. E eu sei.
Fora destes dias de crise, como ocupa o seu tempo livre? O que gosta de fazer?
Gosto imenso de ler, de ir tomar café com a minha mulher, ali pelas redondezas. Tomamos um café num sítio, depois noutro, depois noutro. Agora que tenho netos, gosto muito de brincar com eles, mas não os tenho visto. Gosto de passear. Ao fim de semana pego no carro e vou com a minha mulher. E gosto de estudar. Tenho as leituras de lazer, a literatura, mas gosto e necessito de estudar. No caso do cinema chega a acontecer que por vezes me estou nas tintas para o filme que vou ver. Porque do que eu gosto é do ritual de sair para ir ao cinema.
Com tudo o que já viveu nestas semanas, ainda há em si lugar para o espanto?
A minha cabeça não tem tempo para se angustiar. Só tem tempo para tentar resolver os problemas. Com este stresse em que andamos ganhámos imensa energia, imensa força, mas quando isto acabar, se calhar vamos passar um bocado de alguma ressaca.
Quando vai para casa, ou quando se desloca para o hospital, como reage ao ver uma cidade tão bela, mas tão brutalmente vazia?
Parece-me que estou num sábado ou num domingo. O pior bocado do dia para mim, o mais custoso, é, desde que me levanto até entrar no hospital. Porque estou a antever, estou com medo do que vou encontrar. Depois de cá estar dentro e de começar a trabalhar, acabou. Enquanto não entro no hospital, estou ansioso. Depois de cá estar, tenho de me concentrar nas coisas que tenho para fazer e já não tenho tempo para estar ansioso. Nem para angústias. oltar ao topo


quarta-feira, 5 de fevereiro de 2020

40 "socialistas" contra a História. Socialistas !?


Grupo de 40 deputados do PS vota contrariado IVA de 23% nas touradas

https://www-jn-pt.cdn.ampproject.org/c/s/www.jn.pt/nacional/amp/grupo-de-40-deputados-do-ps-votam-contrariados-iva-de-23-nas-touradas-11784119.html


Esta é uma outra tourada, a de Velhos do Restelo civilizacional na Assembleia da República.

São 40 representantes de tradições culturais, dizem eles, mas de facto cultores de divertimentos cruéis, próprios de tempos em que o homem era indiferente ao sofrimento dos animais.

Outros tempos. 
Mas o mundo mudou.

Reflete-se mais, os jovens preferem jogos de computador a sangue de boi a esguichar pelas feridas das bandarilhas.

A que estes 40 são imunes, à reflexão e à gula pelo sangue dos bichos.

Refletissem estes 40 insensíveis "socialistas" e uma luzinha se lhes acenderia: socialismo é progresso, não tradicionalismo bárbaro.

Desta vez foram vencidos pela maioria civilizada do partido. Mas prometem guerra aberta se houver votação para proibir as touradas.

E muito do Zé Povinho fará o mesmo a "socialistas" sanguinários se esta tourada continuar.



_ _ _ _

quarta-feira, 18 de dezembro de 2019

Almas celestiais



O estuário do Sado tem uma função económica: canal de exportação sem a qual seremos mais pobres. Tem outras, mas esta é vital.

Depois das dragagens a flora voltará (a Natureza é poderosa) e a bicharada também.

Petróleo, prospeção ai meu deus!, lítio, ai o ambiente, oliveiras intensivas sugam as entranhas e as vacas bufam toneladas de gás que abre o buraco...

Obviamente que toda a atividade humana tem sequelas e as indústrias ainda mais. Há que ter métodos o mais seguros que o conhecimento proporcione e o bom senso recomende, com controlos e sanções se for o caso.

Mas rejeitar liminarmente a exploração de recursos é um cómodo comportamento; os outros que nos abasteçam...


Será o sonho de algumas almas que vivem num mundo "celestial": o dinheiro dos salários vem do "céu", não é necessário produzir para os pagar.


_ _ _