sexta-feira, 28 de novembro de 2014

Cargo de grande irresponsabilidade

ir-responsabilidade


Sócrates preso e ai meu deus, um ex-PM engaiolado!!!

Uma personalidade daquelas, um figura pública de primeira água, um homem que exerceu um cargo de tamanha responsabilidade, etc., etc., etc.

Como se a lei não fosse igual para todos, como se vivêssemos numa bafienta monarquia ou numa oligarquia à laia do cleptocrata Eduardo dos Santos!

A verdade é que José Sócrates, desde muito cedo enleado em tramas sombrias, sempre saíu chamuscado do clamor através de bravatas e escutas retalhadas. Não foi um estadista responsável. Nem respeitável. Nem sequer estadista.

A sucessão de PEC 1 a PEC 4, com que ainda tentou flanquear a penúria do Estado Português, jamais teria ocorrido se ele tivesse sido prudente na aplicação do dinheiro de todos nós.

Um estadista teria tido essa prudência.

E ao afundar-nos, abrindo a porta da Passos e à tróica, Sócrates demonstrou ter sido um grande irresponsável como PM de Portugal.

Tivesse ele uma pitada de vergonha e ficaria caladinho na cadeia de Évora em vez de esbracejar palavras ocas. Irresponsáveis.


_ _ _ _ _ _ _

quinta-feira, 27 de novembro de 2014

Consultor "Blue"

Contito

O consultor veste blue porque é compliance com o standard do mercado. Este é mandatório e exige uniforme universal, fatos às riscas, fatos tweed de quadrados largos, fatos claros de quadrados estreitos, poucos, e fatos escuros, muitos, mas sempre blue, blue old fashion.

Nas consultoras o industry standard é mais flexível, fatos saia-casaco, aceitando a release calça-casaco e maior diversidade de cores, embora a trend seja, mostly, a do blue-dark-blue.


O paradigma tem mais folgas para as gravatas, permite mais riscas e mais cores, até tolera uns verdes que repugnariam a qualquer lesma da nabiça. Nelas a decoração peitoral está embedded no decote da blusa ou na abertura do camiseiro em generosas vistas com um range variation entre a opulência das super-mega-dotadas e as de planuras a perder de vista que lembram um Alentejo de pequenas colinas.


Tipicamente, um specialist consultant tem um profile próprio de quem integra o staff de um player global. Formatado segundo técnicas certificadas de mentoring é depois injectado num ambiente standardizado de alta performance, quality oriented. Seja um simples software developer, um expert em workflow management ou um gajo da audit da headquarters, tem de ser blue compliance, disso não escapa. Nem quer escapar! Dão-lhe carro…

Também é compliance usar versões updated do crioulo luso-americano do sector. Cada segmento do mercado business consulting tem o seu próprio slang embutido na respectiva framework language.

Esta framework e a Blue Compliance são drivers no competitivo mundo global dos negócios.

Um bom performer desse crioulo luso-americano não tem time out no refresh da listagem das buzzwords do seu repositório. E faz downloads daqui e dali, seja do índice do manual do novo package, de press releases da concorrência ou do que ouviu no workshop e chega a fazer imports daquele senhor muito rico que fala um mix de então é assim,  flavour, há-des e prontus

Demonstrará sempre estar up to date com o state of the art do seu core business. Tem uma performance em que se destaca o seu fino feeling para tudo o que acrescenta valor para o accionista. Pena tolerar em si próprio o “Vistes o que disse o Account Manager?” ou não dar pelo ”Trabalhastes lá, és tu que levas com as complaints que chegam ao Deputy Director”.

Qual iluminado benfazejo, aspergirá as suas reuniões, perdão, os seus briefings, meetings e as sessões de training com o acumulado de sonantes palavrões que tirará do talego, aliás briefcase, à medida da sua necessidade de impressionar incautos.

O seu target está perfeitamente definido. O que lhe interessa mesmo é estar na short list de promissores activos da consulting company. É uma corporation que integra uma network com sólidos partners mundiais, o que exige um behaviour à altura. Não é para todos!

E se o dono da obra se queixar num Steering Committee:
Oh Saragoças de Melo, as mamas da sua consultora dispersam-me, não me deixam ver o "deliverable!” pode sempre responder:

– Por quem é, Senhor Presidente, isso é verdadeiramente “value for money”, um “deploy” desses está à vista de todos. Reparou bem no volume desse intangível "ROI"!?




Lisboa, 23 de Março de 2008


quarta-feira, 26 de novembro de 2014

Portugal visto de fora – É a corrupção que desonra



Vai por ai um escarcéu sobre a imagem de Portugal lá por fora por Sócrates ter sido preso.

Nas entrelinhas é disseminada a ideia de que Portugal é mal visto por essa prisão e não pela corrupção que a terá provocado. Assim se cria uma onda mitológica. Interesseira.

Segundo esses porta-vozes da ingenuidade matreira, ficaríamos melhor no retrato se a corrupção investigada não conduzisse à cautelar prisão daquele putativo corrupto. Que malabarismo…

A imagem da Grécia melhorou ou não quando um seu ministro da defesa foi condenado por idêntico crime na compra de submarinos? Por mais degradada que fosse a imagem dos políticos helénicos que levaram o país ao colo da tróica, a verdade é que essa condenação mostrou ao mundo que havia gregos íntegros.

E mesmo em Portugal, como fomos vistos na Europa quando alemães foram julgados e condenados na Alemanha por corrupção na venda de submarinos e nada aconteceu por cá!?

Que pior imagem podíamos ter dado quando nem sequer ainda foram identificados os corruptos portugueses envolvidos nessa compra!?

Não, o bom nome de Portugal não se defende com corruptos em roda livre.

O que desonra, o que afunda Portugal, o que nos faz cair no Índice de Perceção de Corrupção é a existência da própria corrupção.

Combatê-la, prender suspeitos que a praticam, isso sim, só favorece Portugal.


!!!!!

terça-feira, 25 de novembro de 2014

A condecoração que Sócrates enjeitou



Há pouco mais de três semanas, condecorar Sócrates dava títulos graúdos.

Os seus amigos do PS lançavam o isco mediático a Belém no encalço do Grande Colar da Ordem do Infante D. Henrique atribuído por Cavaco a Durão.

Por já ter ecos das investigações policiais a José Sócrates ou porque não o considerava digno da sua bênção, a verdade é que Cavaco ignorou o assédio.

E hoje, dia seguinte à prisão preventiva de Sócrates sob acusação de corrupção, fraude fiscal e branqueamento de capitais, a ansiada medalha esfumou-se com estrondo. Para sempre.

Não se condecora um suspeito de tais crimes e nem os seus mais acérrimos defensores se atrevem a voltar ao tema. Nem agora nem no futuro.

Condecorar Sócrates também seria um absurdo branqueamento do desgoverno de quem afundou Portugal, vergando-nos ao jugo da tróica.

Condecorar Sócrates seria indultá-lo do mal que fez a Portugal.

Mas não foi o PR a tirar-lhe o tapete. Não tivesse Sócrates enveredado pelos lamacentos terrenos que agora o conduziram à cadeia de Évora e talvez um dia, um dia de fraca memória, um outro PR lhe pendurasse um colar henriquino. 

É que se há memórias que o tempo apaga, a da corrupção, provada ou não, jamais se esfuma.

_ _ _ _ _



sábado, 22 de novembro de 2014

Socialismo




Escreve-se Socialismo na janela de pesquisa e o Google indica 18.300.000 resultadosPara cima de dezoito milhões. Milhões.

Mas não é preciso ir à net para se ficar a saber quão diferentes são os conceitos, as perspetivas ou as convicções do que é Socialismo.

Os partidos políticos têm textos até mais não, manuais e cassetes sobre Socialismo, o bom e o mau, o novo e o antigo e as suas fronteiras com outras conceções políticas.

Até na sua casa, na sua família, caro leitor, estimada leitora, se levantar a questão, vai ter áspero debate.

Estado dono ou propriedade privada, liberdade ou ditadura, Rosa Luxemburgo, Lenine ou Francisco Louçã, tudo isso virá à baila.

E em qualquer grupo de amigos o tema suscitará cansados desabafos, juvenis terceiras vias e Eh pá, deixa-te disso, porra, és um chato!

Pois bem, seja qual for a cartilha ideológica ou a solidez da argumentação, jamais Socialismo se confunde com corrupção. Socialismo é coisa limpa, não uma máscara para embolsar milhões.

E José Sócrates, antigo PM de Portugal, foi ontem preso sob acusação de crimes de fraude fiscal, branqueamento de capitais e corrupção (PGR, 22Nov2014).

E por mais erros de investigação que a Polícia Judiciária tenha cometido, por mais lacunosa que seja a acusação do Ministério Público, uma coisa os portugueses sabem há muito. Sócrates nadava em dinheiro. E também sabe que casas, carro e Paris não se pagam com Socialismo.

Não se está aqui a fazer um julgamento na praça pública ou a encenar um fuzilamento de caráter. Não, nada disso, apenas estamos a inventariar rabos de palha de alguém que deveria ser impoluto.

Mas não, Sócrates deixou um rasto de dinheiro a potes, milhões sem explicação, um abissal fosso entre o legitimamente recebido, a vida de novo-rico e Socialismo.

Socialismo, isto!?
Sócrates, socialista!?
_ _ _ _ _

sexta-feira, 21 de novembro de 2014

Fantoches de José Régio

Título Formigarras

'José Régio e o seu burro'
por Hermínio Felizardo


Surge Janeiro frio e pardacento,
Descem da serra os lobos ao povoado;
Assentam-se os fantoches em São Bento
E o Decreto da fome é publicado.



Edita-se a novela do Orçamento;
Cresce a miséria ao povo amordaçado;
Mas os biltres do novo parlamento
Usufruem seis contos de ordenado.


E enquanto à fome o povo se estiola,
Certo santo pupilo de Loyola,
Mistura de judeu e de vilão,



Também faz o pequeno "sacrifício"
De trinta contos - só! - por seu ofício
Receber, a bem dele... e da nação.




José Régio
Soneto escrito em 1969


quarta-feira, 19 de novembro de 2014

Timor Leste - Hora de Xanana partir!

Transcrição integral Formigarras,
apenas com correção do título




By Ted McDonnell


Governante déspota de Timor Leste - Hora de partir Xanana!

XANANA Gusmão foi considerado um grande lutador pela liberdade. Hoje, em Timor Leste, ele é considerado um déspota desprezado por adversários políticos, favorecido pela elite política corrupta e motivo de piadas da população.

Xanana, agora na metade do seu segundo mandato como primeiro-ministro também precisa ser apeado, antes que ele tenha seu momento de Berlusconi, ou seja removido pelo seu próprio partido.

Dois altos membros do CNRT (Conselho Nacional de Resistência Timorense) acreditam que a razão de Xanana ter sobrevivido tanto tempo no poder é que "as pessoas têm medo dele".

"Este é um homem que ameaça as pessoas na rua, no Parlamento, em todos os lugares. "As pessoas têm medo dele", disse o Ministro senior.

"A demissão de juízes e investigadores anti-corrupção é porque ele não conseguiu os seus intentos. Perdemos os impostos dos casos do petróleo, o julgamento da corrupção do boina Pires estava prestes a começar e a única maneira para Xanana parar de perder era livrar-se de quem discordava dele."

Acredita-se que a KAK (Comissão Anti-Corrupção) está investigando nada mais nada menos que oito dos aliados mais próximos de Xanana no governo.

Outro alto ministro representante do CNRT contactado, disse: "Ele deve ir, nós sabemos disso. Ele está a destruir este país e protegendo o dodô (corruptos)."

Perguntado sobre o porquê dele estar protegendo os corruptos, ele disse: "Ele sabe que, se eles forem acusados de corrupção, ele também poderá ser implicado. Os negócios de petróleo que ele fez com seu sobrinho foram sempre questionáveis e o primeiro contrato com o Nilton (Nilton Gusmão) foi assinado sem a participação da Ms. Pires". (Ministra das Finanças, grifo meu).

"A demissão dos juízes portugueses sob o pretexto dos impostos do petróleo, foi apenas um plano de Xanana para desviar a atenção daquilo que realmente preocupa Xanana e que é a corrupção de seus amigos."

Os líderes da FRETILIN estão esperando que Xanana imploda acreditando que ele está destruindo ao seu próprio legado ou o que resta dele, e a reputação internacional de Timor Leste.

"Estamos apenas observando e esperando", disse um líder da Fretilin. "Nunca interrompa o seu adversário enquanto ele está cometendo um erro."
Contudo, muitos acreditam que a Fretilin é tão fraca quanto aqueles do partido do CNRT que querem Xanana fora.

Fontes dizem que ministros no seio dos governos australiano e português estão confusos com o recente comportamento irracional de Xanana, mas recusam-se a fazer comentários oficiais que interfiram com a política interna de Timor Leste, acreditando que o tempo de Xanana como PM está chegando ao fim.

Muitos observadores acreditam que o mandato de Xanana como PM tem sido um desastre para a sua pequena nação.

Pobreza, desnutrição, desemprego, saúde inexistente, permanecem em padrões de terceiro mundo, e muito pouco tem sido feito durante os dois períodos de governo do CNRT para melhorar a situação do povo timorense.
Apesar do rápido esgotamento do Fundo Petrolífero, dezenas de milhões de dólares foram gastos em monumentos a Xanana.

Muitos milhões também foram roubados do erário público.
Poucas dúvidas há de que novas leis de mídia (média), em breve serão promulgadas pelo Presidente de Timor Leste. Taur Matan Ruak foi designado por Xanana para parar a crítica da mídia (média) à má gestão financeira do seu governo, as investigações de corrupção à elite política e uma análise mais aprofundada aos contratos de petróleo concedidos pelo Tio Xanana ao seu sobrinho Nilton Gusmão e que lhe valeram centenas de milhões de dólares.

Ninguém pode negar que Xanana Gusmão foi um grande lutador pela liberdade de seu povo, mas como político, ele tem sido um fracasso e deixou os timorenses muito mal; na verdade, muitos acreditam que ele os traiu, protegendo os corruptos no seu governo ao mesmo tempo que favoreceu membros de sua família, com milhões e milhões de dólares em contratos.

Um antigo investigador anti-corrupção (KAK), expulso de Timor Leste pelo governo de Xanana diz que possui evidências, que ele levou consigo, provando que Xanana alegadamente esteve envolvido em muitos atos corruptos.

Numa entrevista exclusiva ao Expresso, importante publicação portuguesa, o antigo investigador KAK fez a surpreendente revelação de que ele tem evidências consigo que provam que o PM Xanana alegadamente também cometeu corrupção.

Jose Brito disse que também foi ameaçado pelos "bandidos de Xanana".
Brito foi para Timor-Leste em 2009 e foi integrada na missão das Nações Unidas. Um ano mais tarde foi transferido para a Comissão Anti-Corrupção criada pelo governo timorense.

Ele diz poder afirmar, baseado em sua experiência e evidências, que "a corrupção é endémica em Timor-Leste, desde os vários serviços estatais, tais como políticas de construção até ao topo do governo", disse ele ao Expresso, acrescentando que Xanana Gusmão está incluído em uma longa lista de atividades corruptas.

"Xanana? Não tenho dúvidas de que ele está envolvido em corrupção. E eu tenho provas. Enviei-as num contentor para Portugal", acrescenta.
Brito alegou que "há vários casos envolvendo Xanana. Tais como contratos de arroz envolvendo a filha e o negócio de combustível envolvendo o seu sobrinho".

"O sistema é tão corrupto que tudo termina em acidentes (derrocadas). As obras não têm qualidade, os designs são ruins e usam e abusam de contratos emergenciais para fazer a adjudicação directa de fonte única", conclui.

As mais recentes ações de Xanana demitindo os juízes e ameaçando quem se manifesta contra ele, são como as de um governante déspota lutando para permanecer no poder. Ele sabe que muitos dos seus "leais"membros do CNRT conspiram contra ele nos bastidores.

Atualmente, Xanana tem todos em Timor Leste com medo dele, mas também com medo de que ele poderá fazer em seguida, mas há movimentos dentro de seu próprio partido pressionando para que ele seja removido do cargo de primeiro-ministro, antes que cause quaisquer outros incidentes locais ou internacionais.

A maioria acredita que é melhor para ele aposentar-se por iniciativa própria, antes que seja o povo de Timor Leste a sublevar-se contra outro regime ditatorial.

O povo de Timor Leste merece melhor do que isso!

(Original em inglês)
Tradução do original intitulado Timor Leste’s despot ruler - time to go Xanana!

 

domingo, 16 de novembro de 2014

Quadrilheiro – Quadras V2




Rimando jogo pedrinhas
e atiro alguns abraços,
afago nas entrelinhas
e atormento madraços.


Trafulhas mando às urtigas
em trovas envinagradas,
à má-língua faço figas,
exalto caras lavadas.


Faço quadras quando calha
e à míngua de inspiração,
tapo com tinto da talha
moléstias na rimação.


São versos contra-corrente,
pedem cante à desgarrada,
não fadinho decadente
de gentinha amargurada.


Falam de coisas da vida,
da fortuna, dos quebrantos,
daquela vez de fugida
a lembrar certos encantos…


Rimo quadras destravadas;
sem as musas de Junqueiro
são em Aleixo inspiradas.
Confesso, sou quadrilheiro!




Manuel A. Madeira
18 de Maio de 2010

Rv 29.Out.2014

sábado, 15 de novembro de 2014

CTT – Boas Práticas Aforristas


Apesar do dito abaixo, o logo dos CTT
não sugere um postilhão esfolado!?


O aforrista quer aforrar nos CTT e não leva o número respetivo nem dele se lembra. Mas aforra.

Os CTT não podiam ser mais eficazes, funcionais e acolhedores.

Sem preencher formulário, a solução veio impressa. Sem pressas, mas com tempo de ponderação.

E a eficácia não é apenas fruto do Profissional que presta informações, consulta dados exteriores e faculta documentos finais.

Não, é o conjunto que merece destaque. O profissionalismo do atendente conta e muito, mas conta especialmente a máquina instalada a montante. O que não está à vista, as comunicações, as bases a correr algures, a formação do pessoal e especialmente os projetistas do IGCP – Agência de Gestão da Tesouraria e da Dívida Pública e respetivos parceiros informáticos.

Quem projetou o processo, de fio a pavio, foi meticuloso. Desburocratizou o que antes implicava preenchimentos e duplicados, esperas e remessas postais de documentos.

E a demonstração da simplificação veio com o Certificado de Aforro, recebido no ato da sua subscrição, que há anos só nos chegava a casa três semanas depois.

Os Correios de Portugal bem podiam adotar este chamariz aforrador:

Nos CTT é muito fácil aforrar.

 + + + +


sexta-feira, 14 de novembro de 2014

Parabéns duplos aos contra corruptos



A Polícia Judiciária e o Ministério Público estão de parabéns. Duplos.

Investigaram e a PJ "deteve onze pessoas pela presumível prática dos crimes de corrupção, branqueamento de capitais, tráfico de influência e peculato."

É a função destas entidades, mas não é todos os dias que peixe graúdo cai nas malhas da justiça. Daí os Parabéns reforçados, pois a PJ e o MP ignoraram pressões branqueadoras, se ocorreram, e também não vacilaram perante cargos sonantes da Administração Pública.

Foi apenas um pequeno passo, é verdade, mas prender o Diretor Nacional do SEF, Manuel Palos, e o Presidente dos Registos e Notariado, António Figueiredo, sob aquelas acusações constituiu um exemplo de grande profissionalismo. Mais que profissionalismo, foi uma prova de resistência ao clima de impunidade que paira em Portugal há muito.

Particularmente responsável nesta época, em que a Ética tem sido diariamente esfrangalhada com as mentiras e mal explicadas atividades do Primeiro-ministro, em que donos de bancos caíram na lama e muitos suspeitos de crimes graves andam por aí ao laréu.

Em breve se saberá quem fica em prisão preventiva e quem sai a troco de caução milionária, como tem sido mau hábito com ricos e poderosos

Porém, para já, há um trabalho realizado, que merece ser salientado. As decisões de juízes de instrução e o eventual julgamento são outros capítulos, mas o aviso está dado. Quem pisa o rico pode ser riscado. Riscado de posições potenciadoras de tráficos ilegítimos e riscado de lugares em que a dignidade e honorabilidade nunca podem ser questionadas.

Portugal vê hoje uma luzinha de esperança.

++++

quinta-feira, 13 de novembro de 2014

Entre a massa e a greve laboriosa



Trabalhadores do Metro de Lisboa a trabalhar em dia de greve

Esta era, ainda há poucos anos, uma forma japonesa de greve.
E um óbvio paradoxo para a visão sindical portuguesa, em que greve tem propósito de paralisia verdadeira, visando pressionar patrões e governo pela tensão psicológica, pelo prejuízo e pela perturbação provocada.

Mas o mundo não pára, o PC que manda em muitos sindicatos não dorme, e esta nova atitude grevista é uma pedrada no charco.

Em primeiro lugar é uma novidade absoluta. Em Portugal não há memória, se a memória não nos falha, de uma greve sem interrupção do trabalho.

Depois, porque é um setor bastas vezes usado sindicalmente para transtornar muitíssimas outras atividades. Ora, trabalhando os grevistas do metro não prejudicam pessoas, empresas nem a economia no seu todo.

Seja simples balão de ensaio, nova atitude politíco-sindical ou manobra publicitária, a verdade é que suscita grande curiosidade e uma atenção redobrada aos ecos partidários e sindicais, sociológicos e politológicos.

Tanto assim é que a justificação por esta opção, a segurança de passageiros e tripulantes, ontem veiculada, é muito frágil. Pessoal com tantos anos de experiência certamente tem capacidade para neutralizar riscos na utilização dos comboios de serviços mínimos.

Seja como for, este foi um passo positivo na intervenção política e sindical. Melhora a imagem que os portugueses têm dos sindicaos e das greves, refletindo uma flexibilidade que as teses de agitação de massas do PC nunca assumiram.

Uma pitada de realismo face às reações cidadãs?
Um sinal de aproximação ao PS Costa?
O preço de uma fatia de poder?


Veremos...
A massa de que são feitas as próximas listas eleitorais já está a amassar.

+++

Feijocas




Iguaria regalada,
o tinto, o verde, a ginjinha;
a receita imaculada,
mas olvidada a rainha!


Omitir a feijoada,
deslize de quadrilheiro,
seja a falta perdoada,
foi de guloso arrozeiro.


Mas a musa ericeirense,
louvando tenras feijocas,
a mestria da Hortense
brinda com vinte beijocas!



© Manuel A. Madeira

9 de Novembro de 2014

quarta-feira, 12 de novembro de 2014

Ricardina




O manjar ovacionado,
carimbado com Distinto!,
ganhou travo refinado
benzido com vinho tinto.


Fruto de mão apurada,
numa marcha fernandina
foi a arte venerada:
arroz doce Ricardina.



© Manuel A. Madeira
3 de Novembro de 2014

domingo, 9 de novembro de 2014

Portugal não pode ser o baú de corruptos




Isabel dos Santos lança OPA sobre a PT SGPS
http://www.publico.pt/economia/noticia/isabel-dos-santos-lanca-opa-sobre-a-pt-sgps-1675703


PGR, oh PGR, está na hora de investigar a fonte dos fundos sem fundo desta cleptocrata.

Portugal amesquinha-se ao pactuar com a corrupta, com o  ditador seu pai e com a corte de gatunos angolanos, mesmo que engravatados.

Branquear o regime de ladroagem generalizada de Angola não pode ser o nosso desígnio nacional.

Estamos numa fase difícil, precisamos de investimentos, é verdade, mas não é com recursos tirados da boca de tantos angolanos esfarrapados que Portugal se dignifica.

E sem inequívoca honorabilidade dos investimentos fica-se nas garras de gente sem escrúpulos. O que não é futuro, é clausura, escravidão, tornando o nosso país mercenário sem soberania.

Levantemos a cabeça, norteemo-nos pela Ética, não pelo baú de criminosos.

_ _ _ _ _

sexta-feira, 7 de novembro de 2014

Nem mais um cêntimo para Timor




Portugal deve responder à ingrata e vexante expulsão de portugueses de Timor.

Uma resposta em três etapas:
– 1. Trazer imediatamente todos os portugueses para casa;
– 2. Cancelar toda a cooperação – nem mais um cêntimo para Timor;
– 3. Declarar Persona non grata os PR, PM e deputados que aprovaram a expulsão.


E se o Estado Português (Cavaco, Passos e D. Assunção+229) continuar com a cabeça enfiada na areia, que qualquer português grite C-o-r-r-u-p-t-o, C-o-r-r-u-p-t-oC-o-r-r-u-p-t-o ao Xanana sempre que o vir, se um dia tiver o atrevimento de entrar em Portugal (obviamente como clandestino).

Nota final
Portugal jamais sairá da cepa torta enquanto pactuar com a corrupção, cá e lá.

quinta-feira, 6 de novembro de 2014

Portugal desgovernado por impotentes



Tivéssemos nós gente com "unhas" no governo e em Belém, em S. Bento e no Largo do Rilvas e já estariam de regresso a casa todos os cooperantes portugueses em Timor. E se não estivessem todos já nos aviões, estariam a fazer as malas por decisão de Lisboa.

Isto porque o "governo" timorense expulsou, com pré-aviso de 48 horas, magistrados incómodos. Magistrados que zelaram pelo cumprimento da lei, lei timorense que os poderes locais ignoram para proteger os seus corruptos correligionários.

E porque deveria ter Portugal tomado uma posição firme, imediata e honrada?
Porque um país honrado, com governantes honrados, não cede ao enxovalho de magistrados seus serem amesquinhados. Um país honrado não cede a corruptos, mesmo a corruptos governantes.

Só para lembrar, Timor é independente porque Portugal porfiou, anos a fio, por essa independência. Mesmo quando a Indonésia dava a ocupação daquele pequeno território como caso encerrado.

E também foi Portugal que acolheu, sempre que por cá passava, o grande promotor internacional dessa independência, Ramos Horta. Cedeu-lhe uma casa em Lisboa.

E os rios de dinheiro gastos em tantas e tantas ações de cooperação, desde a formação profissional à educação, etc., etc.

E que dizer dos destacamentos da GNR que vários anos sustentaram a segurança interna timorense. GNR que, num atentado ali ocorrido, talvez tenha salvo a vida a alguns dos agora silenciosos cúmplices da expulsão de portugueses que combateram a corrupção naquele país asiático.

Por tudo o que Portugal tem feito por Timor, a expulsão dos portugueses é de uma ingratidão tão reles como hostil.

Que nenhuma linguagem diplomática consegue branquear. Mesmo que Gusmão se desdobre em justificações públicas e mensagens privadas aos impotentes que nos governam.

Tivesse o Portugal Estadistas no governo e na PR, na AR e no MNE e não tardaria um segundo para que nem mais um cêntimo português fosse aplicado naquele território. Com o regresso imediato de todos os que ali trabalham à custa do Orçamento português.

Mas não, já ficámos a saber que na área da Justiça a cooperação é cancelada, continuando nos outros setores de atividade. Paninhos quentes de gente sem sentido de Estado nem "unhas" nem dignidade nacional.

"Unhas", que nem era preciso que fossem de cacho, luzidios e vigorosos...

Bastava um pedacinho de vitalidade, mas o que se pode esperar de quem acabou com o feriado que celebrava a restauração da Independência Nacional!?

Ai se Portugal tivesse Presidente da República!
E gabava Cavaco, há tempos, em Chaves, os nossos maiores! Pena não que não tenha nem uma pitadas das "unhas" desses heróis que fizeram Portugal !!!

_ _ _ _ _

quarta-feira, 5 de novembro de 2014

Vacina contra o terror "religioso"




Relatório sobre a Liberdade Religiosa é divulgado esta terça-feira em todo o mundo. Dos 196 países analisados, só em 80 não há indícios de perseguições motivadas pela fé.

Com a tenebrosa experiência europeia da "católica" inquisição, o mundo deve combater os terroristas ditos religiosos.

Em todo o lado e com todas as armas.
À bala e à bomba, mas especialmente com educação.

Educação laica, livre de fantasmas e de mitos, e completamente fora da influência de igrejas e madraças, sinagogas e mesquitas.

Apenas a educação livre forma crianças e jovens livres, sem amarras ideológicas nem ódio aos que não são dos seus.

Ensinadas desde tenra idade, sem medos nem pecados, a liberdade e a tolerância contribuirão decisivamente para tornar o mundo mais seguro.

E a educação para o respeito pela diferença despovoará os exércitos da crueldade demencial mascarados de "religião", seja ela qual for.

Educação laica, eis o futuro da humanidade.


domingo, 2 de novembro de 2014

Militares e jornalistas intercetam a nossa língua




A propósito dos aviões militares russos que, nos últimos dias, se têm aproximado de Portugal e do norte europeu, foram publicadas notícias alegando terem sido intercetados.

Quer em gíria militar quer simplesmente na língua portuguesa, intercetar é cruzar trajetórias, mas o que a nossa Força Aérea, a britânica e a norueguesa fizeram foi o acompanhamento dos ditos aviões russos. Escoltaram-nos.

Colaram-se-lhes à ilharga e terão tentado comunicar com eles, nem sequer os coagiram a mudar de rota. Ou se o fizeram não passou de tentativa. Os russos seguiram para onde muito bem entenderam.

Estas incursões soviéticas em espaço aéreo NATO foram, durante a guerra fria, pão nosso de cada dia, e mesmo nessa época, apesar dos incidentes, nunca um avião daquela origem foi abatido. Nos casos de mais profunda penetração do espaço aéreo europeu ocidental, aí sim, havia interceção. Os caças americanos, britânicos e outros sinalizavam aos pilotos russos que os impediriam de prosseguir e estes recuavam. Voltavam a território internacional. Há imagens publicadas de pilotos a cumprimentarem-se de avião para avião no fim da incursão.

A história tem duas faces, pois também aviões NATO invadiam regularmente as fronteiras da URSS, eram intercetados e voltavam aos seus céus até novo ensaio deste método de detetar lacunas no controlo do respetivo espaço aéreo.

Foi um jogo do gato e do rato que durou décadas e que a estratégia militar russa agora retoma. Com uma variante. É que desta vez os russos apenas bordejaram territórios sensíveis. Por isso não foram intercetados, apenas escoltados.

E há duas madeiras de intercetar um avião, militar ou civil. Através de comunicação rádio e sinais convencionais internacionais, métodos pacíficos de levar um avião de desviar-se de uma rota ou forçá-lo a tomar outra. Mas desobedecidos, a interceção efetua-se com meios violentos, canhões e mísseis.

Mas, que se saiba, jamais os nossos F16 intimidaram os russos com meios letais. Por isso eles foram até onde queriam, apenas vigiados por pilotos portugueses.


Senhores militares, senhores jornalistas, intercetar não é escoltar.

in·ter·ce·tar
verbo transitivo
1. Deter ou interromper no seu curso.
2. Não deixar chegar ao seu destino.
3. Cortar.
4. Pôr obstáculos no meio de.

"intercetar", in Dicionário Priberam da Língua Portuguesa [em linha], 2008-2013, http://www.priberam.pt/dlpo/intercetar [consultado em 01-11-2014].