domingo, 29 de julho de 2012

Regionalismos alentejanos

Atualização de 29 Julho 2012

Compilação: Manuel Armando Madeira
Agradeço todas as correcções e novos termos para

Açafate – Cesto rectangular com abas baixas em verga fina para colocar roupa.

Adiafa – Festa de fim de uma actividade, frequentemente constituída por uma refeição farta e bem regada.

Alambazar – Ficar com coisas a mais que o necessário ou razoável.

Albarda – Equivalente a sela, usado nos burros e muares para transporte de pessoas ou materiais, sendo o tecido de esparto enchido a palha de centeio e reforçado a cabedal nas zonas de maior desgaste.

Alcacêr – Forragem.

Almocreve – Homem que realizava trabalhos agrícolas com muares.

Amuadiço – Que amua por tudo e por nada.

Atafais – Arreios que seguram a albarda ou a sela às pernas e cauda do animal.

Atibar – Assentar a comida. Bebe-se chá para atibar uma refeição pesada.

Avaria – Proeza, aventura.

Aventar – Deitar fora.

Aziar – Conjunto de dois paus de cerca de 30 cm de comprimento e de dois a três cm de diâmetro que se colocavam nos beiços superiores de muares, cavalos e burros para os imobilizar durante tratamentos veterinários ou mesmo para os ferrar.

Bical – Esquisito nas preferências alimentares. Que come só alguma coisas.

Cabeção – Cabrestos colocados no gado cavalar e muar fora das horas de trabalho.

Cace – Concha para servir sopa ou caldo.

Canga – Em madeira reforçada a chapas de ferro colocada sobre os molins dos animais de tiro, onde encaixa a lança dos carros puxados por parelhas.

Cangalho – Canga para um único animal, mais frequentemente fixado aos varais do carro.

Canjirão – Vasilha grande para vinho.

Carcachada – Gargalhada.

Chaparro – Azinheira juvenil.

Debulha – Conjunto de operações para extrair as sementes de milho, cevada ou centeio dos molhos do cereal ceifado.

Empestocado – Que diz ou faz parvoíces.

Encetar – Tirar o primeiro bocado. Da refeição, bebida, sopa…

Enxapota – Ramo de azinheira ou de chaparro.

Encharnicado – Irritadiço.

Entaliscado – Entalado. Pequeno entalão. Entaladela.

Entretenga – Entretenimento.

Enxúndia – Gordura de galinha.

Escarapão – Variedade de cobra.

Escarapoado – Zangado.

Estrambalhar – Entornar ou espalhar.

Estrumeira – Lixeira, onde se depositavam todos os resíduos domésticos e profissionais.

Fastio – Pouco apetite.

Fezes – Trabalhos e situações difíceis, tarefas árduas.

Fueiro – Pau comprido e aguçado numa das pontas que se colocava nos lados dos carros de agrícolas para carregar cereais em rama.

Fundilhos – Remendos na parte de trás das calças.

Gorpelha – Saco grande feito de tiras de folha de palmeira para encher de palha ou transportar materiais a granel.

Gradar – Alisar o terreno lavrado, actividades realizada com grade.

Gregar – Vomitar [Santo André – Santiago do Cacém].

Machuco – Forma deturpada dada à palavras em Pedrógão do Alentejo. Corruptela.

Madeiro – Tronco grande de árvore usado para queimar nas lareiras.

Malata – Ovelha nova, ainda quase borrega.

Mercas – Termo antiga para compras.

Molim – Apetrecho almofadado para suportar a canga, que se coloca sobre o pescoço dos animais de tiro.

Murracinha – Chuvinha, chuva molha parvos.

Parelha – Dois animais que, em conjunto, rebocam carros ou puxam alfaias agrícolas como charruas, arados ou trilhos.

Pataleta – Episódio doentio como AVC, enfarte ou epilepsia.

Pernicar – Beliscar  [Santo André – Santiago do Cacém].

Perrumas – Bolas de cera de mel que, misturadas com farelos e com um fio de azeite, serviam de comida para cães.

Porca sara – Bicho de conta [Santo André – Santiago do Cacém].

Puxo – De arado ou de debulhadora, barrote usado para puxar alfaias ou veículos agrícolas, ligando a alfaia à canga. Lança.

Reguingalhos – Resíduos em suspensão no vinho.

Sovina 1 – Forreta.

Sovina 2 – Agulha de sapateiro, para furar cabedal.

Taipal – Cada uma das portas da frente e de trás dos carros agrícolas.

Taramenho – Precisão de movimentos. Usado geralmente pela negativa: diz-se que não tem taramenho quando deixa cair coisas ou foi descuidado na movimentação de objectos. Pessoa sem juízo, pessoa desorientada.

Tarro – Recipiente circular em cortiça com fundo e tampa do mesmo material. Por vezes tem uma pega em madeira.

Tendal – Parede lateral dos carros agrícolas.

Tesmalho – Rede de pesca fluvial artesanal.

Tição - Pedacito de madeira em brasa.

Tiçanito - Diminuitivo de Tição.

Travia – Comida para porcos. Comida ruim.

Trilho – Estrutura sobre rolos com espigões para debulhar trigo. Tem um assento para o almocreve e é puxado por muares.

Varais – Paus que ligam o carro ou charrete ao cangalho, dentro dos quais vai o animal.

Varrasco – Porco de cobrição.

Zurrapa – Vinho ruim.


***

3 comentários:

Abel disse...

"Tal tá a moenga...", expressão que quer dizer: "que chatice" ou que manifesta aborrecimento pelo que está a acontecer ou que se está a ouvir.

Rancho Folclórico Cortiçadas de Lavre disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Formigarras disse...
Este comentário foi removido pelo autor.