segunda-feira, 22 de outubro de 2012

Grainha geneticamente suprimida?



Meio mundo, o meio que reflete sobre isso, questiona a bondade e os perigos dos OGM - Organismos Geneticamente Modificados.

Pertenço a essa parcela do mundo e evito ingerir o que me cheira a OGM.

Porém, ontem, ao comer uvas sem grainha sou dos que comem; não dos que consomem comida dei por mim a pensar: mas cum raio, como se reproduzem as parreiras se as uvas não têm sementes!?

Ainda me lembrei-me dos enxertos, da milenar seleção de castas e dos bacelos, mas a dúvida subsistiu: então e em ambiente 100% natural, sem intervenção humana, como se reproduziriam a parreiras ou videiras que produzem uvas sem grainha?

Sem sair deste novelo, fica a pergunta aos caros leitores e às estimadas leitoras:

Serão as uvas sem grainha um produto natural ou são já fruto da engenharia genética, essa coisa que fabrica OGM e que a tantos assusta?

2 comentários:

Mendonça disse...

Para começar, só dizer q gosto desta atitude de pessoas q se perguntam como as coisas aparecem. És daquelas pessoas q evitam OGM e gostam de produtos "naturais" mas pelo menos levantas questões, n segues a doutrina só pq sim.

Eu, confesso que ainda n percebi pq é q há pessoas q são contra OGM e passo a explicar pqê, e tlvz nesse processo consiga dar resposta à tua questão.

Ao longo da história da humanidade desde q se descobriu a prática da agricultura, foram sendo inventadas várias técnicas q resultaram numa melhoria de produtividade e qualidade dos alimentos, de forma a q com os msmos recursos se produzisse maior quantidade de alimentos, mais duradouros, mais saborosos, mais etc. Uma delas é a seleção de sementes. Astuciosamente o Homem achou q se guardasse as sementes de frutos com características que mais lhe convinham, elas produziriam com maior probabilidade frutos/plantas/arvores/etc. com essas características, sejam elas: a resistência, o tamanho, o sabor, a quantidade, etc. Não só pensou isso como observou q realmente havia uma correlação entre esses dois fenómenos: sementes boas --> alimentos bons. E meto aqui bons, n ingenuamente, pq na verdade, o mau é aquilo q a natureza nos dá, nós temos q os transformar e tornar aquilo bom para nós, experimentem comer a planta natural que deu origem à couve ou à tenra alface q comemos hje em dia [1], ou ingerir as plantas q contêm químicos venenosos como alguns cogumelos, coisas naturais e intragáveis ou pior q isso. E n quero aqui ser demagogo, e apontar só exemplos de coisas más q a natureza dá, tem coisas boas também, aliás tivemos q começar por algum lado, mas em norma os alimentos selecionados pelo Homem são mto mais amigáveis digamos assim.

Ora o q é q estava ali a acontecer? O q se passa é q o Homem, sem saber, estava a efetuar uma seleção genética artificial das sementes (isto supondo q artificial significa q é feita por um artífice, q neste caso é o Homem). O Homem na mais pura ingenuidade ao nível das ciências genéticas, estava a selecionar geneticamente as sementes q tinham as características q mais lhe convinham. O mesmo aconteceu na pecuária, com os animais domesticados, ao longo de gerações dos animais fomos escolhendo aqueles q davam mais carne (maior tamanho) ou leite ou ovos etc para procriar. Tendo em conta isto, olhemos agora para a alteração/modificação genética (OGM), e verificar q a diferença para o processo há mto descoberto pelo homem de seleção genética é praticamente nula. O q eu quero demonstrar é q em termos do q voces se preocupam, q é a mão do Homem na natureza, é praticamente igual o processo de OGM ou o processo mais q usado e aceite pela humanidade ao longo de milhares de gerações. Por outro lado, a técnica da alteração objectiva pode trazer inúmeras vantagens!

Um exercício q lhe proponho é esse de pensar nas plantas e animais q fazem parte da nossa alimentação e verificar que na natureza eles não existem. Não existe nenhuma fêmea de um animal, que n faça parte da nossa pecuária, que tenha por ex seios do tamanho que estamos habituados nas nossas cabras, vacas e ovelhas, estes q pertencem à nossa pecuária têm seios com dimensões q na vida selvagem apenas faria q fossem caçados instantaneamente pelos seus predadores. N existem árvores na natureza q deem frutos do tamanho que as "nossas" árvores de fruto dão, é um desperdício de energia total, uma árvore na sua perfeita sanidade mental nunca faria tal fruto. Pior, hoje em dia grande parte das árvores nem se quer se consegue reproduzir através das suas sementes, tal é o atrofio genético. E aqui agarro o seu caso das videiras. As videiras não se semeiam, plantam-se, usa-se partes de outras videiras para se multiplicar uma casta. Portanto pensar q algumas uvas são naturais e outras não n faz mto sentido. A questão q se deve colocar é se são boas ou nao, se são saudáveis ou nao, pq alteradas já elas foram há milhares de anos! E diga-se: Ainda bem!

[parte 1]

Mendonça disse...

[part 2]

Agora, qual é a vantagem dos OGM para o q agente tem? A vantagem é q n temos q esperar por um "erro" genético na reprodução dos nossos alimentos que nos convenha, ou seja, só podemos selecionar uma semente de um fruto vermelho se ele existir, e para tal temos q esperar q o processo de reprodução gere no seu código genético um fruto q tenha coloração mais avermelhada (sim pq é um processo contínuo n passa de branco para vermelho numa geração). Os OGM são exactamente a passagem direta, se nós soubermos q um determinado conjunto de código genético (genes) define a cor do alimento, basta alterar para o código desejado, isto em vez de esperar q o código desejado apareça por si (esse processo de aparecer tinha q ser explicado, mas tinha q estar aqui a escrever mto mais e n vale apena.. basicamente é ir pesquisar os processos de evolução das espécies aconselho este livro [2])

E quem fala de cor de clubes pode falar em resistência, ao melhorar-mos a resistência dum determinado produto n temos q, por ex, investir tanto em pesticidas, fungicidas, e por aí fora. Hoje em dia isso já é feito. E diga-se: Ainda bem!
Tal como nos primórdios, o objectivo é o msmo, a técnica é q muda, ficou mais eficiente. =D

[1] - http://evolution.berkeley.edu/evosite/evo101/IIIE4Evochange.shtml
[2] - Richard Dawkins O espetáculo da Vida - http://tastethisbook.blogspot.pt/2010/01/espetaculo-da-vida-de-richard-dawkins.html